Série Royal #1
Autora: Nichole Chase
Editora: Pandorga
Páginas: 452
Avaliação: ★★★★
Sinopse: Samantha Rousseau é uma garota que está acostumada a sujar as mãos. Ela faz mestrado em biologia da vida selvagem enquanto ajuda a cuidar de seu pai doente. Logo, não tem tempo para fofocas de celebridades, roupas da moda ou férias em algum paraíso do Caribe.

Quando a duquesa do pequeno país da Lilaria a convida para jantar, Samantha pensa que é para discutir uma doação para sua pesquisa universitária. Mas a verdade mudará o curso de sua vida de uma maneira que ela nunca sonhou.

Samantha é uma estudante de mestrado e especialista em vida selvagem, ela é professora assistente e cuida de aves durante o tempo livre. Um dia acontece um alvoroço no seu serviço envolvendo realezas e ela é convidada para um encontro com eles.

O que ela imaginava ser um encontro para falar sobre uma doação sobre os seus projetos, era na verdade uma notícia sobre a sua linhagem: na verdade ela era uma duquesa de uma nação chamada Lilaria (que fica pelas bandas da França), e que ela só mora nos EUA, pois seus antecessores tiveram que fugir da nação com uma mão na frente e outra atrás.

A rainha estava com vontade de restituir as terras e títulos dos descendentes dos fugitivos, e relutantemente a Sam aceita.

O livro tem uma clima bem gostoso por conta da aura 300% sincera da Samantha e dos flertes 500% diretos do Príncipe herdeiro de Lilaria. Garantindo uns diálogos gostosos de se conferir. Senti que a autora mandava as coisas ocorrerem rápido de mais e depois segurava um pouco o ritmo dos fatos, que no caso se tornava às rédeas curtas. Os personagens secundários são bem gostosinhos de se conferir, principalmente a melhor amiga Jess, o assistente Chadwick e a princesa Catherine. O que me faz esperar coisas boas no livro seguinte. 

Compartilhe no Twitter:

A série, baseada nos 13 livros da saga infantil "Desventuras em Série", de Lemony Snicket (Daniel Handler), conta as desventuras que os três órfãos Baudelaire -- Violet, Klaus e Sunny -- enfrentam após a perda de seus pais em um incêndio. A história parte do momento em que as crianças são informadas de que seus pais faleceram em um terrível incêndio que ocorreu em sua mansão, destruindo-a. Depois do incêndio, as crianças vão viver sob tutela de um parente distante, o Conde Olaf, um homem terrível e pouco higiênico que tenta roubar a enorme fortuna que seus pais lhes deixaram. As três crianças mudam diversas vezes de tutores, sempre por conta das armações do Conde Olaf, que continua seguindo-as, em disfarces ridículos, sempre com um plano diferente para roubar a fortuna dos órfãos. As crianças tentam avisar sobre o que as atormentam, mas nenhum adulto chega a acreditar, fazendo com que saiam de situações perigosas por conta própria.

Uma paixão pelo filme, que deu uma paixão pelos livros me fez chegar até essa série (com uma baita ansiedade aliás!). Os pais dos Baudelaire, Violet, Klaus e Sunny, morreram em um trágico incêndio, agora eles são órfãos sem um teto para viver e com uma fortuna que deve ficar intocada até a mais velha (Violet) fizer dezoito anos.

Nessa primeira temporada, são adaptados os quatro primeiros livros, poucos pontos da trama fogem do que estão nos livros, trazendo um suspense para o leitor que acompanha a série. As mesmas coisas que me irritavam quando eu lia os livros acontece aqui, passar raiva com burrices de alguns adultos e o tanto de desventura que ocorre, que é praticamente metade do pano de fundo da série e livros.

O contraste das cores "trevosas" com o lado mais colorido é bem marcante, que só enriquece o mundo de acontecimentos bizarros da série. Os efeitos especiais da série não são dos mais ricos, principalmente quando se trata da Sunny, mas a caracterização dos personagens, principalmente a do Conde Olaf é  muito boa! Este que é um vilão que me agradou bastante nas suas loucuras, e que combina muito com os outros adultos da série!

O que mais me motiva nessa série é imaginar como a bizarrice dos livros seguintes ficarão nas telas, pois a estrutura de dois episódios por livro não me empolgou tanto quanto eu esperava, mas é fato que ficou boa!

Estreia: Janeiro/2017 ⇎ Emissora: Netflix 
Duração: 50 minutos (8 episódios) ⇎ Avaliação: ✧✧✧✧
Compartilhe no Twitter:

Autoras: *várias autoras*
Editora: Duplo Sentido Editorial
Páginas: 80
Avaliação: ★★★★
Sinopse: Há quem diga que uma história memorável precisa acontecer em algum lugar turístico, mas aquele que usa o transporte público sabe que não é bem assim. Nos ônibus, viajando desde os bairros mais pacatos até o polo mais movimentado da cidade, quantas decisões importantes já não foram tomadas? Quantas paixões platônicas não surgiram? Quantas vezes você, escutando música nos fones de ouvido, não olhou através da janela, se imaginando num filme? Algumas autoras nacionais também têm histórias de ônibus semelhantes para contar: sete jovens embarcam em uma viagem, sem saberem que, dessa transição, é impossível sair igual. A rotina, às vezes, reserva surpresas, e elas estão esperando por você na próxima parada. Conte os trocados ou pule a catraca!

Seguem os nomes dos contos e suas respectivas autoras: "Idas e vindas" - Bruna Fontes, "Sete Minutos" - Júlia Braga, "Transbordante" - Thatiane Machado, "Querer é poder" - Vanessa Marine, "Espelho" - Mel Geve, "Juntos"- Tamara Soares, "Os cinco estágios" - Marcele Cambeses.

Entre as autoras eu só conhecia a Vanessa Marine, por conta do seu livro "Novembro" no Wattpad, e gostei da escrita de todas nessa coletânea, apenas o da Marcele me deu uma estranheza por conta do seu estilo, mas que ao passar as páginas a sensação diminuiu bem.

Todos os contos tem um nível de "crush" presente, seja de gente que você admira sem conhecer tanto, até melhores amigos, há também relacionamentos LGBT, a característica geral dos contos é ser bem amorzinho.

Os contos se passam no mesmo universo (aka ônibus), e é bem gostoso ler os elementos da vida do jovem que precisa andar de ônibus e o que ocorre durante o dia desse bendito.

E-book disponível no site da Duplo Sentido Editorial
Compartilhe no Twitter: